segunda-feira, 24 de maio de 2010

Para o desejo do meu coração o mar é uma gota

Em um dos dias mais malucos da minha vida, antes de acontecerem coisas que não confessarei aqui hoje, eu estava a caminho do trabalho, cochilando no ônibus quando despertei numa pescada e ao olhar pro lado, num ônibus de viagem, serena, de olhos fechados, estava a grande Adélia Prado, chegando do interior. Meu coração bateu acelerado, ninguém mais a viu, ou reconheceu, me deu vontade de gritar o nome dela e nem que fosse ter mandado um beijo, mas não o fiz, vi o ônibus dela indo, o meu também, nos afastando e eu ainda arrepiada por ter ficado lado a lado com ela por alguns segundos. Beijo, Adélia.


Desenredo

Adélia Prado

Grande admiração me causam os navios
e a letra de certas pessoas que esforço por imitar.
Dos meus, só eu conheço o mar.
Conto e reconto, eles dizem ‘anh’.
E continuam cercando o galinheiro de tela.
Falo de espuma, do tamanho cansativo das águas,
eles nem lembram que tem o Quênia,
nem de leve adivinham que estou pensando em Tanzânia.
Afainosos me mostram o lote: aqui vai ser a cozinha,
logo ali a horta de couve.
Não sei o que fazer com o litoral.
Fazia tarde bonita quando me inseri na janela, entre meus tios,
e vi o homem com a braguilha aberta,
o pé de rosa-doida enjerizado de rosas.
Horas e horas conversamos inconscientemente em português
como se fora esta a única língua do mundo.
Antes de depois da fé eu pergunto cadê os meus que se foram,
porque sou humana, com capricho tampo o restinho de molho na panela.

Saberemos viver uma vida melhor que esta,
quando mesmo chorando é tão bom estarmos juntos?
Sofrer não é em língua nenhuma.
Sofri e sofro em Minas Gerais e na beira do oceano.
Estarreço de estar viva. Ó luar do sertão,
ó matas que não preciso ver pra me perder,
ó cidades grandes, estados do Brasil que amo como se os tivesse inventado.
Ser brasileira me determina de modo emocionante
e isto, que posso chamar de destino, sem pecar,
descansa meu bem-querer.
Tudo junto é inteligível demais e eu não suporto.
Valha-me noite que me cobre de sono.
O pensamento da morte não se acostuma comigo.
Estremecerei de susto até dormir.
E no entanto é tudo tão pequeno.
Para o desejo do meu coração
o mar é uma gota.

Marcadores:

1 Comentários:

Anonymous Jenifer disse...

Lindo este poema de Adélia.

1 de junho de 2010 11:19  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial